Entrevista com Roque - continuação

SORAYA COSTA e RENATA FIORDELISIO

Como se organiza um auditório
Você sabe que hoje, muitas pessoas que assistem televisão vêem aquela mulherada bonita lá na frente. A gente então, nessa época, tinha sempre que conversar com o auditório, vinha aquela senhora, vinham aquelas velhinhas... Mas coitada da velhinha, não ia agüentar um programa de cinco, seis, sete, oito horas... Então, a gente começava primeiro pegando as menininhas e colocando lá na frente. Isso eu digo, porque a coisa que eu mais entendo é de auditório. Então eu começava a colocar as menininhas. O Silvio Santos sempre falava: "Coloca na primeira fila menininhas de catorze, depois menininhas de dezessete, depois, lá trás, de cinqüenta, lá no fundão... noventa". Então, a gente tem que fazer o auditório assim. Você entendeu? Porque quando as meninas ou senhoras começam a cansar, a gente troca de lugar, por que o programa é corrido. Hoje, um auditório parado, um auditório de senhoras são alegres no começo. Mas depois elas não agüentam, coitadas. Elas cansam e aí? Como acontece? Então hoje, se um auditório não for vibrante... Quando você assiste televisão e vê muitas meninas bonitas, percebe, elas são modelos. Eles contratam para botarem ali. Mas nós do Silvio Santos não temos modelos. Se eu digo para você que às vezes as pessoas pensam: "É pra vir no programa só mocinha, não pode velha, não!" No SBT pode vir senhora, pode vir menininha, só não aceitamos homem porque ele não ajuda, não aplaude. Se você vai com o seu marido num programa, você vê um cara bonitão, você fala: "Uh!" Teu marido já te dá um beliscão, não é verdade? Então, é isso: a mulherada vibra, a mulherada torce e o homem só fica com aquela cara feia dando cotoveladas. Então é por isso que homem não entra.
Como aprendeu a lidar com o auditório
Veio da minha própria cabeça. E muitas coisas eu aprendi. Hoje, vou dizer um segredo, eu não poderia falar isso, mas como você é uma pessoa bacana, tem que saber. Para selecionar mulher bonita em auditório, isso ofende as pessoas. Se você vai em auditório com vinte mulheres, só tem você bonita e as outras são feinhas e preciso de mulher bonita, como eu vou tirar você? As outras vão ficar com raiva, não é verdade? Então, uma coisa que a gente aprendeu com o tempo: mulher, eu vejo cinco bonitas, eu vou pelas cores. "Ei você de camisa verde... você de camisa amarela..." Aí eu tiro essas e as outras não ficam ofendidas. Daí se monta um auditório tranqüilo, não é verdade? Se eu trouxer quinhentas mulheres para aplaudir no auditório, eu chego lá e falo que eu quero cinqüenta mulheres bonitas para ficar aqui, aquelas quatrocentas e cinqüenta vão se revoltar, não vão participar e vão só vaiar. Então hoje tem que saber conversar com o público. Você tem que ter educação e dedicação para aquilo que está fazendo. O respeito é tudo.
 
Auditório no SBT
Não existe no Brasil o esquema que o SBT tem. Foi isso que o Silvio falou e hoje, eu estou falando aqui. O SBT é a única emissora que dá atenção ao seu público. Nós mandamos buscar em casa, a nossa caravana. É tudo de graça. Tive que fazer uma modificação aqui no SBT. Começou a aparecer uns problemas com pessoas que cobravam para vir aqui. As pessoas davam tudo e ainda cobravam! Depois que as pessoas largam tudo em casa para vir a um programa, ainda têm que pagar? Não dá, né? Então, aqui é tudo de graça. As pessoas chegam de manhã, descem, vão para a sala de visitas que o Silvio construiu especialmente para o nosso público. Tem segurança que leva você lá dentro, tem água gelada, tem água sem gelo, tem banheiros em ordem, tem tudo dentro do banheiro, tem um cafezinho, tem uma bolacha. Quando vêm para o auditório, participam das bagunças que o Silvio faz dentro do auditório... Como hoje, as meninadas que vieram no "Tentação", umas trezentas meninas, ganharam quarenta e cinco reais, cada uma. E quando termina o programa, nós ainda fornecemos um lanche e assim o pessoal sai com a barriga cheia daqui. Eu sou daquela época que quem trazia marmita, comia. Quem não trazia nada, passava fome. Naquele tempo era tudo difícil. Hoje, graças a Deus, são coisas que me prendem dentro do SBT, que me orgulho. Quando iniciou o SBT, eu falei para o Silvio que as coisas eram longe daqui, ia ficar mais difícil para o povo. Ele falou: "Você não vai ter problema". Hoje, graças a Deus, todos os programas que temos aqui são bem organizados. O departamento e a diretoria estão a par de tudo. Nós temos um departamento de caravana aqui dentro do SBT. Temos a gerência e temos toda a meninada que trabalha comigo. Você viu que a alegria é tudo.
 
O programa que marcou
Isso é importante para você e para quem gosta de televisão - o programa que mais marcou, para mim e praticamente dentro do SBT, foi o programa "Show de Calouros". O Brasil todo parava para assistir. Para mim, foi o melhor programa do SBT e foi o programa que mais marcou na nossa empresa, em nossa casa aqui.
Hoje, os programas do SBT
Hoje o Silvio faz uma renovação na televisão, se continuar tudo sempre do mesmo jeito, aquelas novelas eternas que nunca acabam... Então o Silvio está assim, quando ele cisma, ele faz uma renovação na programação e muitas coisas boas dos velhos tempos voltam. Eu nunca, na minha vida, gostei de novela e não gosto. Se você vê as novelas de hoje e as de antigamente, hoje você vê a depravação. Naquele tempo você via uma novela, você chorava. E a mesma coisa dos filmes românticos. Assistia um filme lindo, a gente ia para o cinema com a namorada. Aprendia até abraçar a namorada, aquelas coisas lindas. Hoje só vê desgraça na televisão, só vê isso e aquilo.
Histórias que marcaram
Tem muitas histórias. Um dia que me deixou um pouco chateado, foi na Ataliba Leonel. Eu cheguei, e você sabe que sempre tem aqueles caras que tiram um sarro. Aí um dia, eu estava botando a mulherada para dentro do auditório, passou uns rapazes e falaram "Roque, bota essas galinhas para dentro!", daí eu falei: "Mas as suas irmãs não chegaram ainda!". Então, são coisas que brincam com a gente e a gente tem que saber se dar ao respeito. Tem senhoras que chegam aqui, coitadas, passam o dia inteiro.
Uma história que me emocionou foi quando um senhor que é delegado me falou que o sonho da mãe dele era ver o Silvio Santos e ela, coitada, tinha aquela doença ruim (câncer). Ele chegou para mim: "Roque, minha mãe, coitada, talvez ela não tenha muito tempo de vida, ela gostaria de ver o Silvio Santos pessoalmente". Eu falei: "Doutor, o Silvio comigo não é só patrão, ele é mais amigo do que patrão". Aí o delegado a trouxe, eu sentei essa senhora e no intervalo eu falei: "Silvio, essa senhora, coitada, ela está meio doente e o último desejo dela seria dar um abraço em você, Silvio". E ele foi lá, abraçou essa senhora... coitada da velhinha, realizou o sonho dela. Esse delegado quando veio buscar a mãe dele, e ela contou que estava feliz e eu vi as lágrimas correndo dos olhos desse delegado. Para mim, foi uma das grandes vitórias de minha vida.
Vou contar um caso para você, você vai gostar, vai até dar risada... Um senhor que eu fiz um favor uns vinte anos atrás, coitado, ele estava perdido em São Paulo, foi roubado e não tinha dinheiro para viajar para o Paraná, Cascavel. Aí ele veio falar comigo, coitado, pediu pelo amor de Deus, acabei arrumando um dinheirinho para ele, paguei a passagem e o levei até a rodoviária. E agora, quando foi Domingo (Março/2002), eu chego na porta, o segurança falou: "Roque, tem um senhor querendo falar com você". Aí o senhor: "Oi Roque, vim te agradecer. Você não se lembra de mim... vinte e tantos anos..." Eu falei: "Não lembra o quê?", "Que você Roque, me deu uma passagem para eu ir para o interior...". Daí eu falei: "Lembro!". Ele veio, coitado. Quando ele foi para o interior, queria saber como ia me pagar. Eu falei que não tinha nada o que pagar. Então eu disse: "O dia que você voltar para São Paulo, você trás um frango para eu comer!". E ele veio Domingo (Março/2002), vinte anos depois e ele estava lá na portaria, com dois frangos dentro do isopor. Aí cheguei em casa e falei para Janilda: "Pô! Prepara esse frango que eu vou comer!" E fui comer esse frango, ele estava tão bom que... olha o que eu ganhei... quebrou o meu dente (risos). Mas eu fiquei feliz que tudo isso são lembranças boas das pessoas.

E na televisão, outro dia, fiquei magoado com as meninas. Quando eu estava preparando elas para entrar no auditório, aquela fila de meninada assim... quando eu desci do carro e fui ao encontro delas, elas começaram a gritar: "Lindo! Lindo!". Aí eu fiquei todo contente, joguei beijo e quando olhei para trás era o Silvio Santos que estava chegando (risos).